FlogVIP Login: Senha: Ajuda? | Crie seu FlogVIP

Sobre * lidiapoesias
Maringá - PR

Presentear FlogVIP
Denunciar

Últimas fotos

12/02/2014


31/01/2014


29/01/2014


28/01/2014


20/01/2014

« Mais fotos


Pesquisar

Visitas
Total: 226731

Feed RSS


« Anterior 12/02/2014 - 13:41
O jardineiro e o Beija-flor
*
*
*
Era uma manhã ensolarada de brisa ainda fresca, a dar bom dia à natureza. O beija-flor, faceiro, dava mais uma de suas voltinhas pela redondeza, atraído pelo aroma das flores, que cumprimentava com um beijo ligeiro, levando carinho, colhendo alegria.

Neste dia, um lindo jardim avistou, e para lá voou. Flores exuberantes o esperavam, vestida de cores, aveludadas, cheirosas, vistosas, majestosas flores. O pequeno pássaro encantou-se e decidiu voltar ali todas as manhãs.

O jardineiro sentado à sombra de uma primavera, observava maravilhado o espetáculo do beija-flor feliz que lhe pareceu encantado e passou a esperá-lo todos os dias, o dia todo. Sua chegada era uma festa, e sua partida a nuvem que escurecia a sua alegria. Decidiu cultivar mais flores, uma mais linda que a outra. E, assim, cada dia mais tempo passava o beija-flor em seu jardim. Quanto mais convivia com aquela ave, mais a achava inigualável, especial, amável. Com ela aprendia a amar, a rir e chorar, a esperar e a perdoar. Ele estava apaixonado.

Os momentos que seu beija-flor se ausentava, pesava-lhe na alma, e doía-lhe imaginar que ele pudesse estar visitando outros jardins, beijando outras flores. E passou a ter ciúmes até das flores que ele já havia beijado antes mesmo de o ter conhecido. Temia que outros pudessem tirá-lo dele ou que seu beija-flor encontrasse flores mais lindas para beijar. Cego por estes pensamentos, o jardineiro passou a seguir seu beija-flor o tempo todo, furtivamente, sem que seu amor soubesse. E à noite, enquanto todos dormiam, aproveitava para invadir os outros jardins e destruí-los. Aos poucos foi arrancando todas as flores que o beija-flor visitara ou que pudesse visitar naquela localidade.

Sua insegurança era tanta, que o jardineiro decidiu mostrar ao beija-flor que nenhum outro jardineiro jamais o amara. Para isso preparou emboscadas aos rivais, disfarçando-se de lindas e maliciosas pretendentes, arrancando-lhes palavras amargas sobre o pequeno beija-flor. Palavras que ele carregava como um triunfo para provar ao seu amor que ninguém mais prestava além de si próprio. Destruía assim, lentamente, a alegria daquele pássaro que passou a sentir-se enganado pelas pessoas e iludido pela beleza e amor que julgara ter possuído um dia. O jardineiro, sem piedade, dizia-lhe que as flores de outros jardins eram artificiais ou venenosas, e que só as do seu jardim eram verdadeiras.

Assim, o beija-flor foi ficando preso a estas armadilhas, isolado de seus amigos, antigos jardins, convencido de que até então vivera apenas ilusões. O preço disso? A sua alegria que se dissipava com as frustrações que lhe feriam a alma e seu desencanto que aumentava como nuvem de tempestade anunciando fúria, ofuscando o sol.

Um dia, porém, o pássaro descobriu as artimanhas do jardineiro e revoltado pensou voar para longe, mas não tinha muitos lugares pra ir. Acabou perdoando seu "protetor" e ficando por ali mesmo. E isso se repetiu muitas vezes. O beija-flor perdoando seu jardineiro. Mas, o encanto, a admiração se dissipava a cada decepção, a cada promessa não cumprida do jardineiro. E, aos poucos, a ave desejou libertar-se e começou a alçar vôos mais longe.

O jardineiro, inconformado, julgando-se protetor, o seguia sorrateiramente destruindo tudo o que encontrava, afastando rivais e inimigos imaginários, dono de seu beija-flor. Até que um dia o pior aconteceu. Depois de descobrir que era seguido, o beija-flor disse adeus. E o jardineiro num gesto de desespero, tentou agarrá-lo à força e quebrou sua asa. Chorando ambos caíram por terra.

O beija-flor arrastou-se entre os pedregulhos e espinhos e foi refugiar-se numa toca ali perto, o jardineiro gritava por ele em prantos. Mas desta vez era mesmo o fim.

A cada dia o homem foi vendo seu pequeno tesouro se afastando, arrastando-se para fora do jardim, sem olhar para trás, assustado, magoado, ferido. Era agora uma ave triste e sem graça. E caiu em pranto de arrependimento.
- O que eu fizera com ela? Onde está o lindo pássaro que me encantou? Eu pensei protegê-lo e o destruí - Desolado, sentado sob o sol escaldante que ardia menos que seu remorso, olhou ao seu redor por toda a extensão de seu jardim e o viu como se o avistasse pela primeira vez. Jardim? Não havia mais jardim algum. Onde antes houvera flores exuberantes e perfumadas agora só existia ervas daninhas, espinhos e vestígios de flores secas.

Perdera seu beija-flor, seu grande amor, porque preocupara-se demais com os jardins alheios, perdera tempo demais tentando impedir que sua ave voasse para fora de seu jardim e se esquecera de cultivar suas próprias flores, de arrancar as ervas daninhas e queimar os espinhos que agora feriam-lhes os pés.



Lídia Sirena Vandresen - 12.02.2014


Comentários
Apenas o dono deste FlogVip pode visualizar os comentários desta foto!

Fotos com mais de 20 dias nao podem ser comentadas.
Favoritos

diariosolar - 18/04/14
Ribeirão Pires - SP


virginialima - 18/04/14
São Paulo - SP


naganoken - 18/04/14
Tupi Paulista - SP


luzdomundo - 18/04/14
São Paulo - SP


amorevida - 18/04/14
Rio de Janeiro - RJ

Mais favoritos »


Links
1- RECANTO DAS LETRAS
A. umnovoencontromusical midis
A.Damanit midis
A.NUA ALDEIA MIDIS
ANA MELLO ARTES - MUSICAS
Boêmio Midi-voice
Inocente midis
Madrinha Dinda
Músicas para postar
Nem sei quem sou
Nem sei quem sou
Nosso site
RECANTO DAS LETRAS
Só aniversariantes - Ana Balbi
Sonia Guedes - madrinha querida
Terra e mar

diariosolar

2- FLOGÃO

MEU FLOGÃO

Nosso site

Nosso site

Nosso site

Nosso site